Consumidor já sente sinais de melhoria na economia, afirma diretor do BC Fonte: Economia – TV CMN – Canal Municipal de Notícias
Enviado no dia 22/09/17 15:18:07 - Atualizado em 22/09/17 às 16:07:14
Consumidor já sente sinais de melhoria na economia, afirma diretor do BC Fonte: Economia
Ao apresentar o Relatório Trimestral de Inflação nesta quinta-feira , Carlos Viana de Carvalho destacou a melhora no poder de compra do consumidor Fonte: Economia
  • 0
  • 2.069
  • TV CMN

Os sinais de melhora na economia brasileira já podem ser percebidos pelo consumidor, afirmou o diretor de Política Econômica do Banco Central (BC), Carlos Viana de Carvalho, considera. Ao apresentar o Relatório Trimestral de Inflação nesta quinta-feira (21), ele destacou a melhora no poder de compra.
Fonte: Economia.

Leia também: Bovespa recua 0,49% nesta quinta-feira, após ultrapassar os 76 mil pontos
De acordo com o diretor do BC , as notícias sobre o mercado de trabalho também são melhores. “O dia a dia vai mostrar essa melhoria da economia permeando a vida das pessoas”, disse. Ele também citou que o crédito para pessoas físicas já dá sinais de melhora, com redução do spread (diferença entre taxa de captação de dinheiro e a cobrada dos clientes nos empréstimos).
No relatório divulgado, o Banco Central revisou a projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no País, de 0,5% para 0,7% este ano. A estimativa para 2018 é de um crescimento maior da economia: 2,2%.
Leia também: Assembleia Legislativa de São Paulo lança aplicativo com gastos dos deputados
Em relação à redução do ritmo de cortes na taxa básica de juros, a Selic, e encerramento gradual do ciclo já anunciado pelo Banco Central, Carvalho disse que essa estratégia é condicional, ou seja, depende da “evolução da conjuntura econômica e dos fatores de risco”.

            PUBLICIDADE


Além disso, no balanço de riscos, o diretor também destacou como mais relevantes os preços de alimentos e de componentes industriais muito abaixo do esperado e a “frustração” de reformas, como a da Previdência. “A gente segue comunicando a importância do fiscal, especialmente através da percepção de perspectivas para trajetória das contas públicas para prazos mais longos”, disse.
Leia também: Prévia da inflação é de 0,11% em setembro, com menor acumulado desde 1998
Descumprimento de meta
Segundo Carvalho, caso a meta de inflação fique abaixo do limite mínimo de 3%, o banco justificará o descumprimento “com serenidade”. Quando a meta de inflação não é cumprida, o é preciso fazer uma carta apontando os motivos para o descumprimento. A projeção do BC para a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), é de 3,2% este ano. Segundo o Relatório de Inflação, o risco de a inflação ficar abaixo do limite inferior da meta é de 36%. A meta tem centro de 4,5% e limite superior de 6%.
*Com informações da Agência Brasil
Fonte: Economia.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
  • Lima matereiais

Deixe uma resposta