De novo! WhatsApp está bloqueado no Brasil por 72h; entenda – TV CMN – Canal Municipal de Notícias
Enviado no dia 02/05/16 12:47:19 - Atualizado em 03/05/16 às 09:36:16
De novo! WhatsApp está bloqueado no Brasil por 72h; entenda
  • 3
  • 2.567
  • TV CMN

whatsapp

Vai acontecer tudo de novo! A partir das 14:00 desta segunda-feira (2 de maio), oWhatsApp ficará completamente inacessível nos smartphones em redes brasileiras. Por um período de 72 horas, os aparelhos do Brasil não vão poder utilizar o serviço, uma vez que a Justiça determinou o bloqueio total do aplicativo — da mesma forma como já vimos em dezembro do ano passado.

De acordo com a Folha, a decisão foi emitida no dia 26 de abril e foi proferida pelo juiz Marcelo Montalvão, da comarca de Lagarto (SE). Todas as operadoras que operam no mercado brasileiro vão ter que atender à determinação da justiça e impedir que seus consumidores utilizem o sistema — nisso estão TIM, Oi, Vivo, Claro e Nextel. Quem descumprir a determinação terá que pagar multas de R$ 500 mil por dia.

Todas as operadoras informaram que irão cumprir a determinação. Ou seja: ficará impossível usar o sistema, em qualquer aparelho do Brasil. Se não houver nenhuma liminar autorizando as teles a retomarem o serviço, somente às 14:00 de quinta-feira (5 de maio) é que o WhatsApp poderá voltar a ser utilizado pelos brasileiros.

Todas as operadoras informaram que irão cumprir a determinação

Ainda não foram informados os motivos da determinação, mas há grandes chances que eles sejam os mesmos do bloqueio realizado em dezembro: não colaboração do WhatsApp nas investigações criminais. Será que o serviço vai voltar a funcionar antes do prazo determinado pela justiça?

Fonte: Tecmundo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
  • Loc Mais

3 Comentários

  1. Whatsapp e UBER infringem a mesma Lei.
    Pior vai ser quando chegar na Justiça, alguma ação para o cumprimento de Lei 8.666, que regula a exploração das concessões públicas.
    Não sou jurista, mas acho que é mais ou menos isso.

Deixe uma resposta