família acusa hospital de negligência após sofrer acidente de carro – TV CMN – Canal Municipal de Notícias
Enviado no dia 08/01/18 11:50:54 - Atualizado em 08/01/18 às 11:50:54
família acusa hospital de negligência após sofrer acidente de carro
O acidente foi próximo a cidade de Santo Antônio do Descoberto na região do entorno.
  • 0
  • 401
  • TV CMN

A ideia era passar as festas de fim de ano comemorando com a família, mas depois de um acidente na estrada, Josemir da Cruz Machado, 54 anos, sofre imobilizado na cama e sua filha Taise Gabriela, 29 anos, acusa o Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) de negligência. Segundo ela, depois de uma peregrinação por unidades de saúde e sem perspectiva de atendimento adequado, eles seguem este sábado (6) para Barreiras (BA) em busca de assistência.

Conforme Taise, o carro pilotado por sei pai, com sua mãe, Regina Machado, 49 anos, no banco do passageiro, foi fechado na altura do km 4 da Br-060, próximo a Santo Antônio do Descoberto (GO), em 27 de dezembro. Outros motoristas pararam para ajudar até a chegada de uma ambulância e, a partir daí, começou o calvário. Primeiro, eles foram ao Hospital Regional do Gama (HRG). “Não deixaram a gente entrar pois disseram que não tinha mais vagas. A ideia era ir para o Hospital de Ceilândia, mas também não tinha lugar para nós”, relata.

Segundo ela, se dirigiram, então, para Santa Maria, onde conseguiram ser atendidos. “Um médica disse que receberia meus pais por causa das queixas, porque o hospital também já estava lotado”, conta Taise. “O médico plantonista solicitou um Raio X de péssima qualidade, eles avaliaram e disseram que não tinha nada de errado”, completa Taise, que é fisioterapeuta.

Descaso

Seus pais, Josemir e Regina, passaram a noite em um cadeira e em uma maca sem colchão. A única recomendação teria sido aplicar analgésico e anti-inflamatório. “Não tinha funcionários no hospital para nos ajudar e eu que tive de ir na farmácia comprar os remédios”, conta Taise. Após a alta, no dia seguinte, a filha levou os pais para casa, no Paranoá, mas ela não ficou satisfeita com o diagnóstico dos médicos.

“Como fisioterapeuta, achei melhor buscar avaliações de outros médicos. Por isso, fizemos uma tomografia na clínica da minha chefe e foi constatado uma fratura na (vértebra) L1 com compressão”, alega. Agora, Josemir está de cama e imobilizado para não piorar o caso.

“Os médicos da clínica disseram que é caso de cirurgia e cobraram R$ 40 mil para fazer. É muito inacessível para nós”, explica. “Desde que meu pai deu entrada no Hospital a situação dele vem piorando. Ele foi colocado em uma cadeira junto com minha mãe porque não tinha macas no Hospital”, completa.

Versão Oficial

A direção do Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) informou que Josemir “foi atendido no pronto-socorro de cirurgia e ortopedia, fez exames e a equipe médica avaliou o caso, prescreveu medicação e orientou a família”. De acordo com a chefia da unidade, “o paciente pode procurar o serviço de emergência em ortopedia quando estiver sentido qualquer alteração no seu quadro clínico”. Sobre as macas sem colchões, a justificativa foi a alta demanda no período de final de ano.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Deixe uma resposta